Silvio Médici, presidente da Abeetrans, foi recebido em Brasília pelo ministro Marcos Jorge, da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, para discutir a prorrogação da Portaria 544, do Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia), que desde 16 de fevereiro exige que sejam instalados no país radares com nova arquitetura de software e hardware. A entrada em vigor da portaria deve ser prorrogada por seis meses.

“Mostramos ao ministro que a indústria nacional é a favor das inovações definidas na portaria, mas que o prazo para mudanças tão importantes e sofisticadas precisaria se estender por mais seis meses. Ele entendeu nossa argumentação”, disse Médici.

O Departamento Jurídico da entidade aponta três motivos para pedir a prorrogação do prazo da portaria: primeiro, o fato de os radares atualmente funcionarem em perfeitas condições.

Segundo, que, das cerca de 20 empresas que fabricam os equipamentos, apenas duas conseguiram aprovar novos produtos.

Por fim, que as empresas estão hoje participando de licitações baseando seus preços em equipamentos antigos”, já que não existem modelos que atendam a 544 para abastecer o mercado.

Para Médici, o impacto imediato da Portaria 544 no trânsito brasileiro é a interrupção de instalação de radares. “Ficar sem radares, especialmente de velocidade, vai aumentar, certamente, as estatísticas de mortes e feridos no Brasil. Nós trouxemos aqui um alerta de interesse público da mais alta relevância”, disse o presidente da Abeetrans.

“O trânsito brasileiro mata hoje, com radares em funcionamento, mais de 40 mil pessoas e lesiona outras 500 mil por ano, gerando custos na ordem de R$ 36 bilhões. Imagine sem fiscalização eletrônica”, disse Médici. 

“Vou respeitar a autonomia administrativa do Inmetro, naturalmente, mas vou conversar com o presidente do órgão a respeito da prorrogação por seis meses”, afirmou o ministro Marcos Jorge.

Participaram da reunião como o ministro Marcos Jorge: deputado Luiz Carlos Hauly, Andrea Santini (Inmetro), Adalberto Romar (assessor parlamentar), Neuri Mantovani (assessor parlamentar), Nayhara Branquinho (Ministério da Indústria), Cristiane Amorin (Inmetro) e Victor Agostinho (Abeetrans).