O presidente executivo da Abeetrans, Silvio Médici, participou na tarde da última terça-feira (22.10.2019) da audiência pública realizada pela Comissão Especial que analisa o PL 3267/2019 na Câmara dos Deputados sobre o exame toxicológico. Esse foi mais um debate sobre as propostas apresentadas em junho pelo Governo Federal para alterar o CTB (Código de Trânsito Brasileiro) em diversas áreas.

Durante mais de três horas, além dos deputados, também fizeram exposições sobre o assunto Luis Pazetti, coordenador geral de Apoio Técnico e Fiscalização do Denatran (Departamento Nacional de Trânsito); Agnaldo do Nascimento Filho, representante da PRF (Polícia Rodoviária Federal); Paulo Douglas Almeida de Moraes, procurador do Ministério Público Federal; Valter Souza, diretor institucional da CNT (Confederação Nacional de Transportes); Renato Borges Dias, presidente da Abtox (Associação Brasileira de Toxilogia); José da Fonseca Lopes, presidente da ABCam (Associação Brasileira dos Caminhoneiros); Fernando Diniz, presidente da Ong Trânsito Amigo e Rodolfo Rizzotto, presidente do portal SOS Estradas.

Na oportunidade, os parlamentares Mauro Nazif (PSB/RO) e Vitor Lippi (PSDB/SP), além do presidente da Comissão Luiz Carlos Motta (PL/SP) receberam do presidente executivo da Abeetrans a pesquisa sobre a percepção da sociedade com relação aos radares de velocidade, instalados em rodovias e vias do país, além de estudo evidenciando a eficácia dos radares nas rodovias federais. A pesquisa, realizada pela Paraná Pesquisa por solicitação da Abeetrans em oito capitais, ouviu mais de 6.400 condutores e pedestres.

A Comissão Especial se reúne semanalmente para ouvir a sociedade civil organizada, os órgãos do Sistema Nacional de Trânsito e outras entidades no intuito de discutir as propostas do Governo e as emendas apresentadas pelos parlamentares no PL 3267/2019. Até a primeira quinzena de novembro, outras audiências sobre diversos temas serão realizadas pela Comissão Especial.

Também estiveram presentes na audiência, Daniela Gurgel, relações institucionais da Abeetrans e Francisco Garonce, diretor do Observatório Nacional de Segurança Viária.